JH em Força!!!



10 Campos de Férias organizados pela Juventude Hospitaleira!!

Decorrem em Casas de Saúde dos Irmãos de S. João de Deus ou das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus e têm uma duração de cerca de 10 dias.
Os objectivos dos Campos de Férias são “despertar nos jovens o sentido da solidariedade, comprometendo-se a dar o seu contributo para a humanização dos cuidados às pessoas doentes”.

Testemunho de vida....

Festival JOTA



O Festival Jota tem como objectivos:

1. Promover a música de inspiração cristã;

2. Promover a reflexão sobre música, artes e outras expressões para a evangelização;

3. Fomentar a criatividade artística;

4. Promover a reflexão sobre temas importantes para os jovens;

5. Apelar de forma positiva à vida;

6. Reflectir sobre a vida e o seu sentido;

7. Proporcionar momentos de convívio, desporto, lazer, reflexão, partilha e oração;

8. Proporcionar o intercâmbio de jovens, grupos e movimentos de inspiração cristã de todo o país;

9. Potenciar valores como o altruísmo, o respeito, a autonomia, o sentido crítico, o encontro com o outro, a paz, a comunhão e a fé;

10. Despertar para uma ocupação saudável dos tempos livres;

11. Sensibilizar para a ecologia e o respeito pela natureza.

Participação, Entradas e Inscrições

1. A entrada no Festival Jota só poderá ser feita mediante uma das seguintes modalidades:

a) BILHETE JOTA, que pressupõe inscrição até ao dia 10 de Julho junto da organização, para os três dias (23, 24 e 25 de Julho) ao preço de 22,00 €, com direito a pequeno-almoço, acesso livre ao recinto, acesso a todas as actividades, acesso a TODOS os concertos, guião e outros materiais do Festival;

b) BILHETE JOTA DIÁRIO, que pressupõe inscrição até ao dia 10 de Julho, junto da organização, para cada um dos dias do Festival ao preço de 10,00 € para dia 23, 12,00 € para dia 24 e 03,00 € para dia 25, com direito a pequeno-almoço, acesso livre ao recinto, acesso a todas as actividades, acesso a TODOS os concertos, guião e outros materiais do Festival, de acordo com o proposto para cada dia;

c) Aquisição do BILHETE CONCERTO de cada dia do Festival, com direito à entrada no recinto a partir das 20:00h e até ao final dos concertos que constam no programa oficial para os dias 23 e 24 ao preço de 6,00 € diários.

2. As inscrições (Bilhete Jota e Bilhete Jota Diário) efectuadas depois do dia 10 de Julho serão acrescidas de 5,00 €.

3. As crianças até aos 6 anos, inclusive, têm entrada gratuita.

4. As crianças entre os 7 e os 12 anos, inclusive, terão um desconto de 07,00 € no BILHETE JOTA e 2,00 € nos outros bilhetes.

5. Inscrições de grupo igual ou superior a 15 elementos terão direito a uma inscrição gratuita.

a) Para esta contagem não contam as crianças até aos 12 anos.

6. Apenas um elemento de cada grupo tratará das inscrições e recepção do material do Festival no Secretariado Permanente.

7. Os jovens com idade inferior a 17 anos podem participar desde que, no acto da inscrição, indiquem o nome do Responsável que deverá:

a) Ser obrigatoriamente maior de idade;

b) Responsabilizar-se no local pela participação dos jovens a seu cargo;

c) Fazer a recepção do respectivo material do Festival no Secretariado Permanente;

d) Zelar pelo cumprimento deste regulamento;

e) Evitar qualquer tipo de problemas.

8. Os participantes que optem pela inscrição no Festival de acordo com as alíneas a) e b) do ponto 1 deverão conservar a "pulseira inviolável" que lhes será entregue no Secretariado Permanente, sob pena disposta no ponto 1 do artigo IX.

9. O passe do Festival, entregue no Secretariado Permanente juntamente com a "pulseira inviolável", é pessoal e intransmissível, e de uso obrigatório durante os dias de permanência no Festival.

10. O alojamento no Festival far-se-á com as tendas dos participantes, em regime de acampamento, ou através do alojamento em famílias de acolhimento das paróquias de Paredes de Coura.

a) O alojamento em famílias será condicionado ao número de famílias de acolhimento disponíveis, e o horário de chegada a casa combinado com estas.

11. Também se aceitam inscrições de voluntários que deverão comparecer no Festival pelas 10 horas do dia 22 de Julho.

a) Estes terão direito às refeições do Festival, uma t´shirt do Festival com indicação de "Voluntário" e um kit de ofertas.

b) Poderão ser criadas bolsas de voluntariado durante o Festival.

12. Apesar de se dirigir a jovens, este evento está aberto a pessoas de todas as idades.

PROGRAMA PROVISÓRIO

Sexta, 23 de Julho
11h: Abertura do Secretariado
11h-19h: Actividades de Acolhimento
19h-20,30h: Jantar
21h: Espectáculo de Abertura
21,30h: Concertos no palco Jota
Banda JM (vencedora do "teu palco 2009")
Voz de Júbilo
Banda Jota
La Voz del Desierto (Esp)
Laetare

Sábado, 24 de Julho
9h: Oração da manhã / Pequeno-almoço
10h-12,30h: Fóruns: «Aprender a Amar» - Visão cristã do amor humano. Ecos do X Fórum Internacional de Jovens; «Madrid 2011» - O que são, para que servem e como participar nas Jornadas Mundiais da Juventude?; «Madrid 2011» - Como posso ser voluntário/a nas Jornadas Mundiais da Juventude?; «Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso» - Como os jovens podem renovar as relações entre os cristãos e com as outras religiões?; «Dinâmicas de grupo» - Estratégias de animação de reuniões e grupos; «Música e evangelização» - Quando quero dizer algo muito importante, canto; «Fotografia» - Fixar um instante na eternidade; «Deus fala hoje» - A Bíblia e os jovens; «Fala comigo» - Para que servem a Reconciliação sacramental e o Acompanhamento espiritual;«A noite abre os meus olhos» - Lazer, descanso e diversão nos fins-de-semana.
12,30h-14h: Almoço
14,30h-16,30h: Workshops [dança, teatro, hipismo, BTT, caminhadas, folclore, ilusionismo, pesca desportiva, mergulho e muitas outras actividades]
17h: Concertos na relva / O teu palco
19h-20,30h: Jantar
21h: Concertos no palco Jota
João Pedro Neves
Anima Christi
Coração Profético
Raffaele Giacopuzzi (ita)
Brotes de Olivo (Esp)

Domingo, 25 de Julho
9h: Oração da manhã / Pequeno-almoço
11,00h: Eucaristia
12,30h-14h: Almoço
15h: Encerramento do Festival


Bento XVI - O celibato não é "Não Casar"!



Da Ir. Fernanda chega-nos este video que, embora fale sobre o celibato, pode também ser tomado como tema de reflexão pessoal de cada um de nós.

Para quem eu vivo?...Vivo para mim próprio e morro na minha solidão ou viverei para os outros e pelos outros?

O vídeo chama a atenção, de forma bastante camuflada, para um problema da nossa sociedade que é o aparecimento de valores que tem por base o individualismo.
 

Para quem pensar ir a Taizé...



 

Aqui ficam os contactos de alguns grupos de Portugal que vão a Taizé...

De 18 a 25 de Julho
Torres Novas
Gustavo Faria
Telef.: 96 444 36 02
E-mail: gustaria@sapo.pt

Carcavelos
Diana Trincão
E-mail: dtrincao@gmail.com
 
De 1 a 8 de Agosto
CAB - Centro Académico de Braga
Telef.: 253 215 592
E-mail: cab@cab.com.pt

Póvoa de Varzim
Nuno Pessoa
Telef. 96 281 34 05
E-mail: nunogpessoa@gmail.com

De 8 a 15 de Agosto
DAPJ Braga
E-mail: dapjtaize@gmail.com

De 15 a 22 de Agosto
Diocese de Portalegre Castelo Branco
Pe Nuno Folgado
E-mail: nuno.folgado@sapo.pt

Diocese do Algarve
João Cabral
Telef.: 96 455 77 74
E-mail: joaomjcabral@hotmail.com

De 22 a 29 de Agosto
Grupo de Jovens da Barreira
João Daniel Silva
E-mail: joaodaniel444@gmail.com

Porto David Bento
Telef.: tel: 91 888 69 59
E-mail: davidbento@hotmail.com

Sérgio Mendes
Telef.: tel: 93 668 38 10
E-mail: sergio26rodrigo@gmail.com

Coragem!!!..."Eu estou sempre convosco"






Queridos irmãos e jovens amigos, Cristo está sempre connosco e caminha sempre com a sua Igreja, acompanha-a e guarda-a, como Ele nos disse: «Eu estou sempre convosco, até ao fim dos tempos». 

Cristãos contemporâneos...


Os "cristãos de hoje" (em geral) estão-se a tornar preguiçosos!!
Talvez porque a fé deles não venha de dentro p'ra fora, mas sim de fora p'ra dentro, porque é algo que lhes é incutido pelos pais, avós e/ou familiares restantes.
Claro que desenvolver uma fé de dentro p'ra fora seja muito difícil que requer muito esforço e que por vezes gera um conflicto interior muito grande, mas a recompensa é enorme e mais gratificante ao contrário da fé incutida, que é muito mais fácil.
Nos dias que correm é muito simples ter fé (fé incutida), basta dizer um sim e acreditar em tudo o que disserem, evitar qualquer tipo de discussão religiosa para não ser mal visto, assiste-se à missa de corpo presente e com a cabeça noutra dimensão, não se tem qualquer compromisso com a Igreja para além daqueles que são necessários, como a catequese. Frequenta-se a catequese porque é bom ter amigos e o Crisma até faz jeito para ser padrinho ou para se casar pela Igreja. Este ciclo vai-se repetindo ao longo de várias gerações até que certos valores familiares desapareçam ou até que uma das gerações deixa de acreditar tornando-se "ovelhas perdidas".
Muitos dizem "A Igreja está a ficar velha e desactualizada", uma das muitas desculpas para quem não tem mais argumentos para se defender, eu geralmente contra-argumento "Onde todos ajudam, nada custa."
Alguns sentem o chamamento de outras religiões e outros preferem não acreditar porque se não conseguem ver não acreditam, como S. Tomé.
Eu não crítico quem não acredita ou quem tem uma crença diferente da minha, só acho mal quando uma pessoa diz: "Sou católico não praticante.". Isso para mim não é resposta porque acho que o Cristianismo ainda não chegou ao ponto de dividir os crentes em tipos.
O que eu estou a tentar dizer e transmitir com este texto é algo muito simples. Não acreditem só por acreditar, desenvolvam a vossa fé, tornai-vos membros activos da Igreja e descubram por vocês mesmos (e não por outros) o amor por Cristo, o Ressuscitado.

Meditação de Taizé


Meditação vinda fresquinha de Taizé para este mês.

Junho

Salmo 42: Sede de Deus
Como suspira a corça pelas águas correntes,
assim a minha alma suspira por ti, ó Deus.
A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo!
Quando poderei contemplar a face de Deus?
Dia e noite as lágrimas são o meu alimento,
porque a toda a hora me perguntam:
«Onde está o teu Deus?»
A minha alma estremece ao recordar
quando passava em cortejo para a Casa do Senhor,
entre vozes de alegria e de louvor
da multidão em festa.
 
Porque estás triste, minha alma, e te perturbas?
Confia em Deus: ainda o hei-de louvar.
Ele é o meu Deus e o meu salvador.
 
A minha alma está abatida:
por isso, penso muito em ti,
desde as terras do Jordão e dos montes Hermon e Miçar.
De abismo em abismo ressoa
o fragor das águas revoltas;
as tuas vagas e torrentes passaram sobre mim.
Durante o dia, o Senhor há-de enviar-me os seus favores,
para que eu reze e cante, à noite, ao Deus que me dá vida.
 
Quero dizer a Deus: «Tu és o meu protector,
porque te esqueces de mim?
Porque hei-de andar triste sob a opressão do inimigo?»
Quebram-se os meus ossos,
quando os inimigos me insultam
e repetem a toda a hora:
«Onde está o teu Deus?»
 
Porque estás triste, minha alma, e te perturbas?
Confia em Deus: ainda o hei-de louvar.
Ele é o meu Deus e o meu salvador.
 
(Salmo 42)
Quando o salmista diz que a sua «alma» tem sede de Deus, não imagina uma sede puramente espiritual ou intelectual. A palavra «alma» sugere muito mais o facto de a sua sede vir do fundo do seu ser e afecta tudo o que lhe é vital. Para quem tem esta sede, viver sem Deus já não é viver, pois sobre esta terra a vida só é plena num louvor a Deus.

Neste salmo há a expressão de um exilado que se encontra longe do lugar onde se reúne o povo de Deus, longe do Templo onde os fiéis vão para encontrar Deus e ver a sua face. É a recordação das celebrações comunitárias que alimenta a sua sede (v.5). Está, por isso, intimamente ligada à experiência de todos os outros que também procuraram Deus e lhe cantaram.

Poderá a linguagem deste salmo tornar-se minha também? Ou será demasiado forte para mim que conheço tão mal Deus? Porque, na realidade, de que tenho eu sede nesta terra? Mesmo se passei por muitas dificuldades, valerá a pena pensar que sou um exilado aqui em baixo?

Não posso, no entanto, negar que em cada uma das realidades nas quais posso ter sede (um grande amor, uma ordem social mais justa, etc.), sou inevitavelmente reenviado a outra realidade, mais duradoura. Pois tudo o que posso ardentemente desejar não vai nunca saciar a minha sede. O fundo do meu ser deseja sempre, afinal de contas, uma comunhão que não falte, uma comunhão completamente inabalável, uma alegria que esteja para lá de toda a alegria (Salmo 43,4).

Este salmo pode, assim, orientar a minha oração. Mas o que é que recomenda para o tempo presente onde tudo parece árido?

O salmista exorta-se a si mesmo: «Espera em Deus» (v. 6, 12). Podemos traduzir por: «Espera Deus». Aceita que a tua verdadeira sede permaneça aberta. Não a preenchas respondendo aos desejos que estão mais à mão. Como diz Jeremias, não substituas a fonte de água viva pelas «cisternas rotas, que não podem reter as águas» (2,13). Uma vida humana é bela quando é, até ao fim, uma espera aberta que só Deus pode preencher.

«Espera em Deus, minha alma: ainda o hei-de louvar.» (v.6) Eis a orientação. Vem o dia em que eu poderei cantá-lo de novo. É, portanto, para o louvor que eu continuo a dirigir a minha vida. E ao esperar, eu tenho confiança: Deus não falhará em pedir à sua graça que esteja comigo ao longo do dia, enquanto durante a noite um cântico vindo dele me levará como uma oração (v. 9).

 De que tenho eu sede (para a minha vida pessoal, para o mundo, para a Igreja)? Serão alguns desejos mais importantes que outros? Quais?

 O que significa para mim a expressão «sede de Deus»? Como podemos desejar uma realidade invisível e intangível?

Festival da Canção 2010 *Potugal*



Beijinhos e abraços para todos