Eventos :: Sábado, 1 de Novembro

No próximo sábado é a festividade de todos os santos.
Assim, não haverá reunião do grupo de jovens.

Deixo aqui algumas sugestões para eventos:

-18h, Igreja da Nª Sra da Oliveira, Primeiro Sábado pelas irmãs da Aliança de Santa Maria
...Mais info: Devoção aos primeiros sábados

-22h, Igreja de S.Sebastião, Oração de Taizé pelo Grupo de Jovens Convivas de S. Sebastião
...Mais info: Taizé

Voltamos a ter reuniões no sábado seguinte, dia 8 de Novembro...
No dia 8 é para preparar as grandes festividades de mais um aniversário do nosso grupo de jovens...por isso não faltem!!

São Judas Tadeu

«São Judas Tadeu, nasceu em Caná de Galileia, na Palestina.
Era filho de Alfeu (ou Cléofas) e Maria Cléofas.
O pai, Alfeu, era irmão de São José e a mãe, prima-irmã de Maria Santíssima. Portanto, Judas Tadeu era primo-irmão de Jesus, tanto pela parte do pai como da mãe.
Um dos seus irmãos, Tiago, também foi chamado por Jesus para ser apóstolo.
Era chamado Tiago Menor para diferenciar do outro apóstolo Tiago que, por ser mais velho que o primeiro, era chamado Maior.
Judas Tadeu tinha 4 irmãos: Tiago, José, Simão e Maria Salomé.
O relacionamento da família de Judas Tadeu com o próprio Jesus Cristo, pelo que se consegue perceber na Bíblia é o seguinte:
Alfeu (Cléofas) era um dos discípulos a quem Jesus apareceu no caminho de Emaús, no dia da ressurreição. Maria Cléofas, uma das piedosas mulheres que tinham seguido a Jesus desde a Galileia e permaneceram junto à Cruz, no Calvário, com Maria Santíssima. Dos irmãos dele, Tiago foi um dos 12 apóstolos, que se tornou o primeiro bispo de Jerusalém. José, apenas conhecido como o Justo. Simão foi o segundo bispo de Jerusalém, após Tiago. E Maria Salomé, a única irmã, foi mãe dos apóstolos Tiago Maior e João evangelista.
É de se supor que houve muita convivência de Judas Tadeu com o primo e os tios.
Esta fraterna convivência, além do parentesco, pode ter levado São Marcos a citar Judas e os irmãos, como irmãos de Jesus (Mc 6,3).
A Bíblia fala pouco de Judas Tadeu. Mas, aponta o seguinte:
Judas Tadeu foi escolhido por Jesus, para apóstolo. Quando os evangelhos nomeiam os doze escolhidos, consta sempre Judas ou Tadeu entre a relação.
O livro dos Actos dos Apóstolos também se refere a ele (Act 1,13). É citado especialmente nas Escrituras no episódio da santa Ceia, na quinta-feira santa, narrado por João evangelista (Jo 14,22).
Nesta oportunidade, quando Jesus confidenciava aos apóstolos as maravilhas do amor do Pai e lhes garantia especial manifestação de si próprio, Judas Tadeu não se conteve e perguntou:
"Mestre, por que razão hás-de manifestar-te só a nós e não ao mundo?"
Jesus respondeu-lhe afirmando que teriam manifestação d’Ele todos os que guardassem a Sua palavra e permanecessem fiéis ao seu amor.
São Mateus e São Marcos citam-no com o nome de Tadeu, como se tivessem receio de usar o primeiro nome, evitando a possível confusão com o nome do renegado traidor.
Mesmo assim a confusão fez-se, e por muitos anos ele ficou esquecido dos devotos. Até mesmo aqueles que procuravam deturpar a pureza de Maria se agarravam à história de Judas Tadeu para sacrilegamente usar o termo "irmão", como um pejorativo, contra a mais pura das mulheres.
Depois que os Apóstolos receberam o Espírito Santo, no Cenáculo, em Jerusalém, iniciaram a construção da Igreja de DEUS, com a evangelização dos povos.
São Judas iniciou sua pregação na Galileia. Depois viajou para a Samaria e outras populações judaicas. Tomou parte no 1º Concílio de Jerusalém, realizado no Ano 50.
A seguir, foi evangelizar na Síria, Arménia e Mesopotâmia (actual Pérsia), onde ganhou a companhia de outro apóstolo, Simão, o "zelote", que evangelizava no Egipto.
A pregação e o testemunho de São Judas Tadeu e seus companheiros, foi realizado de modo enérgico e vigoroso,pedindo ao povo que destruíssem os falsos ídolos e aceitassem Jesus Cristo no coração, atraindo e cativando os pagãos e povos de outras religiões que se converteram ao cristianismo, quando foram alvo da inveja dos feiticeiros. Isso provocou a fúria invejosa de falsos pregadores, de feiticeiros e de ministros pagãos, que conseguiram incitar parte da população
contra São Judas Tadeu e São Simão que foram trucidados a golpes de machado, no dia 28 de Outubro do ano 70.
São Judas escolheu o martírio que o levaria à vida Eterna.
Certa vez, S. Brígida estava a rezar, quando teve uma visão de Jesus:
"Invocai com grande confiança o meu apóstolo Judas Tadeu. Prometo socorrer a todos quantos por seu intermédio a mim recorrerem".
S. Judas Tadeu mostrou que a sua adesão a JESUS CRISTO era completa e incondicional, testemunhando a sua fé com doação da própria vida.
Devido ao seu martírio, São Judas Tadeu é representado na sua imagens segurando um livro, simbolizando a palavra que anunciou, e um machado, o instrumento do seu martírio.
As suas relíquias actualmente são veneradas na Basílica de São Pedro, em Roma.
Santa Gertrudes e São Bernardo de Claraval entre muitos outros Santos, também foram fervorosos cultivadores do culto a São Judas Tadeu.
Santa Gertrudes escrevendo a sua biografia, conta que Jesus lhe apareceu aconselhando-a a invocar São Judas Tadeu, até nos "casos mais desesperados".
A partir de então, cresceu a fé do povo na especial intercessão do Santo, principalmente nos "casos impossíveis".
TADEU vem da palavra síria "THAD" que quer dizer: misericordioso, benigno.

Lectio Divina :: Domingo XXX



Evangelho segundo S. Mateus (22,34-40)
Naquele tempo, os fariseus, ouvindo dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus, reuniram-se em grupo, e um doutor da Lei perguntou a Jesus, para O experimentar: «Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?». Jesus respondeu: «‘Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu espírito’. Este o maior e o primeiro mandamento. O segundo, porém, é semelhante a este: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’. Nestes dois mandamentos se resumem toda a Lei e os Profetas».

Meditação
Para Jesus, o fundamento da relação com Deus e com o próximo é o amor. Um amor solidário. Um amor entrega. Um amor que se torna lei de vida e de acção de todo o crente. Na síntese de Jesus do Decálogo transparece o seu próprio fundamento: toda a legislação, em Deus, tem o seu princípio no amor fraternal e recíproco. O sábado, tem então sentido, na ligação intrínseca à dimensão de Deus. Nesse dia, os judeus deviam dedicar-se por completo ao repouso e ouvir a leitura da Escritura. Com o tempo, esta normativa tornou-se uma carga insuportável, sobretudo, para os mais pobres, quando o sábado deixou de ser o dia da festa do Senhor, para ser um dia cheio de prescrições que impediam as pessoas de se movimentar, cozinhar, e inclusivamente, ajudar o mais necessitado. Jesus veio introduzir um novo sentido ao dia do Senhor com a sua morte e ressurreição. Com uma nova identidade. Um outro fundamento. Um outro amor fundante.

Como explicar o AMOR


Contam que, uma vez, se reuniram os sentimentos e qualidades dos homens em um lugar da terra.

Quando o ABORRECIMENTO havia reclamado pela terceira vez, a LOUCURA, como sempre tão louca, lhes propôs:

- Vamos brincar de esconde-esconde?

A INTRIGA levantou a sobrancelha intrigada e a CURIOSIDADE, sem poder conter-se, perguntou: Esconde-esconde? Como é isso?

- É um jogo, explicou a LOUCURA, em que eu fecho os olhos e começo a contar de um a um milhão enquanto vocês se escondem, e quando eu tiver terminado de contar, o primeiro de vocês que eu encontrar ocupará meu lugar para continuar o jogo. O ENTUSIASMO dançou seguido pela EUFORIA.

A ALEGRIA deu tantos saltos que acabou convencendo a DÚVIDA e até mesmo a APATIA, que nunca se interessava por nada.

Mas nem todos quiseram participar.

A VERDADE preferiu não esconder-se, para quê? Se no final todos a encontravam?

A SOBERBA opinou que era um jogo muito tonto (no fundo o que a incomodava era que a ideia não tivesse sido dela) e a COVARDIA preferiu não arriscar-se.

- Um, dois, três, quatro... - começou a contar a LOUCURA.

A primeira a esconder-se foi a PRESSA, que como sempre caiu atrás da primeira pedra do caminho.

A FÉ subiu ao céu e a INVEJA se escondeu atrás da sombra do TRIUNFO, que com seu próprio esforço, tinha conseguido subir na copa da árvore mais alta.

A GENEROSIDADE quase não consegue esconder-se, pois cada local que encontrava lhe parecia maravilhoso para algum de seus amigos - se era um lago cristalino, ideal para a BELEZA; se era a copa de uma árvore, perfeito para a TIMIDEZ; se era o voo de uma borboleta, o melhor para a VOLÚPIA; se era uma rajada de vento, magnífico para a LIBERDADE. E assim, acabou escondendo-se em um raio de sol.

O EGOÍSMO, ao contrário, encontrou um local muito bom desde o início. Ventilado, cómodo, mas apenas para ele.

A MENTIRA escondeu-se no fundo do oceano (mentira, na realidade, escondeu-se atrás do arco-íris), e a PAIXÃO e o DESEJO, no centro dos vulcões.

O ESQUECIMENTO, não recordo-me onde escondeu-se, mas isso não é o mais importante.

Quando a LOUCURA estava lá pelo 999.999, o AMOR ainda não havia encontrado um local para esconder-se, pois todos já estavam ocupados, até que encontrou um roseiral e, carinhosamente, decidiu esconder-se entre suas flores.

- Um milhão - contou a LOUCURA, e começou a busca.

A primeira a aparecer foi a PRESSA, apenas a três passos de uma pedra. Depois, escutou-se a FÉ discutindo com Deus no céu sobre zoologia.

Sentiu-se vibrar a PAIXÃO e o DESEJO nos vulcões.

Em um descuido encontrou a INVEJA, e claro, pode deduzir onde estava o TRIUNFO.

O EGOÍSMO, não teve nem que procurá-lo. Ele sozinho saiu disparado de seu esconderijo, que na verdade era um ninho de vespas.

De tanto caminhar, a LOUCURA sentiu sede, e ao aproximar-se de um lago descobriu a BELEZA.

A DÚVIDA foi mais fácil ainda, pois a encontrou sentada sobre uma cerca sem decidir de que lado esconder-se.

E assim foi encontrando a todos.

O TALENTO entre a erva fresca; a ANGÚSTIA em uma cova escura;

a MENTIRA atrás do arco-íris (mentira, estava no fundo do oceano);

e até o ESQUECIMENTO, a quem já havia esquecido que estava brincando de esconde-esconde.

Apenas o AMOR não aparecia em nenhum local.

A LOUCURA procurou atrás de cada árvore, em baixo de cada rocha do planeta, e em cima das montanhas.

Quando estava a ponto de dar-se por vencida, encontrou um roseiral.

Pegou uma forquilha e começou a mover os ramos, quando no mesmo instante, escutou-se um doloroso grito.

Os espinhos tinham ferido o AMOR nos olhos.

A LOUCURA não sabia o que fazer para desculpar-se chorou, rezou, implorou, pediu perdão e até prometeu ser seu guia.

Desde então, desde que pela primeira vez se brincou de esconde-esconde na terra: O AMOR é cego e a LOUCURA sempre o acompanha.

O que é a Fé...resultados de sondagem

Resultados da Sondagem sobre o que é a Fé :
  • Sentimento: 10%
  • Adesão: 5%
  • Encontro de Amor: 12%
  • Acreditar em algo: 71%
  • Carga que te complica a vida: 0%

Pelos resultados dá para aperceber que a Fé é algo "desfocado" já que a maioria respondeu "acreditar em algo" Não querendo dar uma definição mais firme ou mais específica sobre o que é de facto a Fé.

A definição da Fé pela igreja católica é a seguinte:
A fé é adesão pessoal, do homem todo, a Deus que se revela. Comporta uma adesão da inteligência e da vontade à Revelação que Deus fez de Si mesmo por suas acções e palavras
Outra possível definição sobre a Fé:
A fé é um dom sobrenatural de Deus. Para crer, o homem tem necessidade de auxílios interiores do Espírito Santo

Palavras de Gandhi


"Desconfio dos que professam a sua fé aos outros, sobretudo quando pretendem convertê-los. A fé não está feita para ser pregada, mas para ser vivida. Será assim que se propagará por si mesma. O conhecimento das coisas de Deus não se encontra nos livros. Pertence ao terreno da experiência vivida pessoalmente. Os livros são uma ajuda, às vezes são um obstáculo." (Mahatma Gandhi)

  • Concordas com a citação de Gandhi?
  • O que é para ti a fé?
  • De que forma podes viver a tua fé nos dias de hoje?

oi povo.

olá a todos:
Espero que o povo esteja tudo bem.
Vou deixar aqui o cartaz que fiz para o grupo.
Penso que vai ser afixado no próximo Sábado...
Espero que gostem.


Aquele abraço e boas pedaladas, alexjudoka_gmr.

Reunião "Vontade de Deus....e a minha vontade?!!"


Poderia começar este post com a seguinte citação:
"(...)seja feita a Vossa vontade assim na terra como no céu(...)"

Quantas vezes pensamos que a vontade de Deus e a minha própria vontade colidem? Mas será que realmente colidem?
Será que Deus impõe a sua vontade à nossa ou será o contrário eu imponho a minha vontade sobre a de Deus?
Muitas vezes pensamos isso...Mas até que ponto este pensamento está correcto?

Deixo aqui algumas frases...escolhe aquela que está mais de acordo com aquilo que achas da relação entre a tua vontade e a vontade de Deus...Tenta analisar o porquê de ter sido essa e não outra frase:

1. A vontade de Deus encontra o que há de melhor em mim.

2. Eu sei sempre o que quero

3. Eu tenho medo de Deus impor a sua vontade sobre mim.

4. Deus retira a minha liberdade e trata-me como uma marioneta.

5. Deus tem um destino para mim.

6. Para eu viver feliz tenho de adivinhar a vontade de Deus para mim.

7. Quando encontrar a vontade de Deus, não terei de fazer mais nenhuma pergunta a mim próprio.

8. A vontade de Deus é vida.

9. A vontade de Deus leva-me a um caminho que me leva ao inesperado.

10. Deus quer que eu seja feliz.

11. A vontade de Deus faz-me irresponsável.

12. A vontade de Deus apela para a minha liberdade e respeita-a


Estava a passear por umas web.

Oi Povo.
Hoje de manha estava a passear por um web.
E achei interessante esta reflexão ou pensamento, espero que gostem.

Pensamento/Reflexão

A Bíblia por Goethe
Discute-se muito e há-de continuar a discutir-se em torno das vantagens e inconvenientes da divulgação da Bíblia. Para mim o assunto é claro: será perniciosa, como sempre o foi, se for usada de modo dogmático e fantasista; e será útil, como sempre o foi, se for encarada de modo didático e sensível.
É minha convicção que a Bíblia se torna tanto mais bela quanto mais a entendemos, ou seja, quanto mais se percebe e simultaneamente se intui cada uma das palavras que vamos apreendendo como coisa geral e que aplicamos ao nosso caso como coisa particular teve um dia, em certa situação, em determinadas circunstâncias de tempo e de lugar, uma aplicação individual própria, específica, imediata.

Johann Wolfgang von Goethe, in 'Máximas e Reflexões'


Fonte:
http://www.citador.pt/pensar.php?op=10&refid=200310200828


Mais info:
http://www.citador.pt/index.php

Aquele abraço e boas pedaladas, alexjudoka_gmr.


Meditação biblica de Outubro


2 Reis 2,1-15: Transmitir o Espírito
Aconteceu que, quando o Senhor quis arrebatar Elias ao céu, num redemoinho, Elias e Eliseu partiram de Guilgal. Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me a Betel.» Mas Eliseu respondeu-lhe: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E desceram ambos a Betel.
Os filhos dos profetas que estavam em Betel saíram ao encontro de Eliseu e disseram-lhe: «Não sabes que o Senhor vai levar hoje o teu amo sobre a tua cabeça?» Ele respondeu: «Sim, eu sei. Calai-vos!»
Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me a Jericó.» Ele respondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E, assim, chegaram a Jericó.
Os filhos dos profetas que estavam em Jericó saíram ao encontro de Eliseu e disseram-lhe: «Não sabes que o Senhor vai levar hoje o teu amo por sobre a tua cabeça?» Respondeu: «Sim, eu sei. Calai-vos!»
Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me ao Jordão.» Mas Eliseu respondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E partiram juntos. Seguiram-nos cinquenta filhos dos profetas, que pararam ao longe, voltados para eles, enquanto Elias e Eliseu se detinham na margem do Jordão. Elias tomou o seu manto, dobrou-o e bateu com ele nas águas, que se separaram de um e de outro lado, de modo que passaram os dois a pé enxuto.
Tendo passado, Elias disse a Eliseu: «Pede o que quiseres, antes que eu seja separado de ti. Que posso fazer por ti?» Eliseu respondeu: «Seja-me concedida uma porção dupla do teu espírito.» Elias replicou: «Pedes uma coisa difícil. No entanto, se me vires quando estiver a ser arrebatado de junto de ti, terás aquilo que pedes; mas, se não me vires, não o terás.»
Continuando o seu caminho, entretidos a conversar, eis que, de repente, um carro de fogo e uns cavalos de fogo os separaram um do outro, e Elias subiu ao céu num redemoinho. Eliseu viu tudo isto e exclamou: «Meu pai, meu pai! Carro e condutor de Israel!» E não o voltou a ver mais. Tomando, então, as suas vestes, rasgou-as em duas partes.
Eliseu apanhou o manto que Elias deixara cair e, voltando, parou na margem do Jordão. Pegou no manto que Elias deixara cair, bateu com ele nas águas e disse: «Onde está agora o Senhor, o Deus de Elias? Onde está Ele?» Ao bater nas águas, estas separaram-se para um e outro lado, e Eliseu passou. Os filhos dos profetas que estavam em Jericó, vendo o que acontecera diante deles, exclamaram: «O espírito de Elias repousa sobre Eliseu.» E indo ao seu encontro, prostraram-se por terra diante dele. (2 Reis 2,1-15)

Entre as diferentes figuras que povoam a Bíblia, há duas que têm um lugar muito especial: Moisés e Elias. O facto dos dois aparecerem ao lado de Jesus quando ele foi transfigurado na montanha (Mateus 17,3) diz-nos muito sobre a sua importância. Eles resumem as duas correntes do testemunho bíblico que, para os cristãos, conduzem a Cristo: a Lei (os primeiros cinco livros da Bíblia) e os Profetas (os escritos destes homens inspirados que lembram a Israel o amor de Deus e as suas exigências). Mas se a Bíblia os celebra é para mostrar que eles não foram apenas homens admiráveis. Como verdadeiros colaboradores de Deus, souberam inspirar outras testemunhas e abrir assim caminhos para todo o seu povo. Por essa razão, as passagens sobre o final das suas vidas também ocupam um lugar importante: Josué continua a obra de Moisés e Eliseu a de Elias. Mesmo que estes segundos tenham sido pessoas menos originais e não tão notáveis como os seus predecessores, o seu papel não foi menos importante. A obra brilhante de Deus não se realiza graças a testemunhas isoladas, mas como uma espécie de tela tecida de testemunha em testemunha, onde continuamente homens e mulheres se inspiram uns nos outros.

No início do segundo livro dos Reis encontra-se a narração da partida de Elias (ele é levado para o céu num carro de fogo) e da entrada em cena de Eliseu (ele fica com o manto de Elias e continua o seu caminho de profeta). Tendo compreendido que ia partir brevemente, Elias pergunta a Eliseu o que pode fazer por ele. «Seja-me concedida uma porção dupla do teu espírito» responde Eliseu (v. 9), o que significa que pede a herança do filho mais velho. Apesar do pedido poder parecer arrojado, o seu verdadeiro sentido é profundo: Eliseu sabe ver em Elias não apenas a sua acção, mas aquilo que o anima interiormente. Vê nele um homem de Deus. Para Eliseu, continuar o trabalho de Elias significa ser animado pelo mesmo sopro de Deus. Depois, a narração diz-nos que Elias convida Eliseu a permanecer perto dele. É na proximidade que se vai viver a passagem de testemunho. Quando Elias é, de repente, arrebatado ao céu, Eliseu vê isso e, para expressar a sua dor, rasga as suas vestes (v. 12). Mas é nesse momento que Eliseu vê o manto de Elias caído no chão: ao apanhá-lo ele vai continuar o testemunho do seu predecessor.

- Como me interpela a história da vocação de Eliseu? Em que sentido somos nós como ele? E em que sentido somos diferentes?

- Quais as pessoas que mais me inspiraram na minha vida? De que forma pode a nossa vida inspirar a de outras pessoas?

Dia Arquidiocesano do Animador

Olá a todos aqui fica uma proposta para quem estiver interessado, em participar.
Na minha opinião acho que deve ser muito interessante.
Apareçam por lá é aqui perto.


Fonte:
http://www.diocese-braga.pt/pastoraljovens/?p=143


Ficha de inscrição:
http://www.diocese-braga.pt/pastoraljovens/download/dia_diocesano_animador_inscricao.pdf

+ Info:

Departamento de Pastoral de Jovens de Braga
Rua de S. Domingos 94B
4710‐435 BRAGA
Site: www.diocese‐braga.pt/pastoraljovens
Telf :253 213 180


Aquele abraço e boas pedaladas, alexjudoka_gmr.