Meditação biblica de Outubro


2 Reis 2,1-15: Transmitir o Espírito
Aconteceu que, quando o Senhor quis arrebatar Elias ao céu, num redemoinho, Elias e Eliseu partiram de Guilgal. Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me a Betel.» Mas Eliseu respondeu-lhe: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E desceram ambos a Betel.
Os filhos dos profetas que estavam em Betel saíram ao encontro de Eliseu e disseram-lhe: «Não sabes que o Senhor vai levar hoje o teu amo sobre a tua cabeça?» Ele respondeu: «Sim, eu sei. Calai-vos!»
Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me a Jericó.» Ele respondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E, assim, chegaram a Jericó.
Os filhos dos profetas que estavam em Jericó saíram ao encontro de Eliseu e disseram-lhe: «Não sabes que o Senhor vai levar hoje o teu amo por sobre a tua cabeça?» Respondeu: «Sim, eu sei. Calai-vos!»
Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me ao Jordão.» Mas Eliseu respondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E partiram juntos. Seguiram-nos cinquenta filhos dos profetas, que pararam ao longe, voltados para eles, enquanto Elias e Eliseu se detinham na margem do Jordão. Elias tomou o seu manto, dobrou-o e bateu com ele nas águas, que se separaram de um e de outro lado, de modo que passaram os dois a pé enxuto.
Tendo passado, Elias disse a Eliseu: «Pede o que quiseres, antes que eu seja separado de ti. Que posso fazer por ti?» Eliseu respondeu: «Seja-me concedida uma porção dupla do teu espírito.» Elias replicou: «Pedes uma coisa difícil. No entanto, se me vires quando estiver a ser arrebatado de junto de ti, terás aquilo que pedes; mas, se não me vires, não o terás.»
Continuando o seu caminho, entretidos a conversar, eis que, de repente, um carro de fogo e uns cavalos de fogo os separaram um do outro, e Elias subiu ao céu num redemoinho. Eliseu viu tudo isto e exclamou: «Meu pai, meu pai! Carro e condutor de Israel!» E não o voltou a ver mais. Tomando, então, as suas vestes, rasgou-as em duas partes.
Eliseu apanhou o manto que Elias deixara cair e, voltando, parou na margem do Jordão. Pegou no manto que Elias deixara cair, bateu com ele nas águas e disse: «Onde está agora o Senhor, o Deus de Elias? Onde está Ele?» Ao bater nas águas, estas separaram-se para um e outro lado, e Eliseu passou. Os filhos dos profetas que estavam em Jericó, vendo o que acontecera diante deles, exclamaram: «O espírito de Elias repousa sobre Eliseu.» E indo ao seu encontro, prostraram-se por terra diante dele. (2 Reis 2,1-15)

Entre as diferentes figuras que povoam a Bíblia, há duas que têm um lugar muito especial: Moisés e Elias. O facto dos dois aparecerem ao lado de Jesus quando ele foi transfigurado na montanha (Mateus 17,3) diz-nos muito sobre a sua importância. Eles resumem as duas correntes do testemunho bíblico que, para os cristãos, conduzem a Cristo: a Lei (os primeiros cinco livros da Bíblia) e os Profetas (os escritos destes homens inspirados que lembram a Israel o amor de Deus e as suas exigências). Mas se a Bíblia os celebra é para mostrar que eles não foram apenas homens admiráveis. Como verdadeiros colaboradores de Deus, souberam inspirar outras testemunhas e abrir assim caminhos para todo o seu povo. Por essa razão, as passagens sobre o final das suas vidas também ocupam um lugar importante: Josué continua a obra de Moisés e Eliseu a de Elias. Mesmo que estes segundos tenham sido pessoas menos originais e não tão notáveis como os seus predecessores, o seu papel não foi menos importante. A obra brilhante de Deus não se realiza graças a testemunhas isoladas, mas como uma espécie de tela tecida de testemunha em testemunha, onde continuamente homens e mulheres se inspiram uns nos outros.

No início do segundo livro dos Reis encontra-se a narração da partida de Elias (ele é levado para o céu num carro de fogo) e da entrada em cena de Eliseu (ele fica com o manto de Elias e continua o seu caminho de profeta). Tendo compreendido que ia partir brevemente, Elias pergunta a Eliseu o que pode fazer por ele. «Seja-me concedida uma porção dupla do teu espírito» responde Eliseu (v. 9), o que significa que pede a herança do filho mais velho. Apesar do pedido poder parecer arrojado, o seu verdadeiro sentido é profundo: Eliseu sabe ver em Elias não apenas a sua acção, mas aquilo que o anima interiormente. Vê nele um homem de Deus. Para Eliseu, continuar o trabalho de Elias significa ser animado pelo mesmo sopro de Deus. Depois, a narração diz-nos que Elias convida Eliseu a permanecer perto dele. É na proximidade que se vai viver a passagem de testemunho. Quando Elias é, de repente, arrebatado ao céu, Eliseu vê isso e, para expressar a sua dor, rasga as suas vestes (v. 12). Mas é nesse momento que Eliseu vê o manto de Elias caído no chão: ao apanhá-lo ele vai continuar o testemunho do seu predecessor.

- Como me interpela a história da vocação de Eliseu? Em que sentido somos nós como ele? E em que sentido somos diferentes?

- Quais as pessoas que mais me inspiraram na minha vida? De que forma pode a nossa vida inspirar a de outras pessoas?

Sem comentários: