Taizé, Meditação de Maio - "Nada nos falta"














O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Em verdes prados me faz descansar
e conduz-me às águas refrescantes.
Ele reconforta a minha alma.

Ele guia-me por caminhos rectos, por amor do seu nome.
Ainda que atravesse vales tenebrosos,
de nenhum mal terei medo
porque Tu estás comigo.

A tua vara e o teu cajado dão-me confiança.
Preparas a mesa para mim
à vista dos meus inimigos;
ungiste com óleo a minha cabeça;
a minha taça transbordou.

Na verdade, a tua bondade e o teu amor
hão-de acompanhar-me todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre.
(Salmo 23)

Para muitos crentes através dos tempos, o salmo 23 tem ocupado lugar de eleição. A confiança serena desta oração, as imagens simples que utiliza (os prados, a água, a sombra, uma mesa) para expressar o modo como Deus acompanha os crentes através de grandes dificuldades, tornaram-no querido para muitos, e capaz de ser lido e relido em momentos muito diferentes da vida. Poucas orações nos parecem tão universais.

A imagem apresentada no primeiro versículo orienta todo o salmo: «O Senhor é meu pastor: nada me falta». Que força emana desta afirmação! «Nada» diz o salmista! Como é possível? – perguntamos nós. Logo a seguir, o texto faz-nos mergulhar num ambiente de frescura vivificante. O pastor sabe como fazer revigorar o seu rebanho, ao conduzi-lo aos locais onde se poderá alimentar. E, deste modo, faz avançar as suas ovelhas. A vida do rebanho reside num movimento que se renova sem cessar, constantemente retomado.

Os versículos seguintes evocam em duas ocasiões perigos importantes. É verdade: um pastor não afasta o seu rebanho do perigo, mas fá-lo atravessar pelo meio desse perigo. Em primeiro lugar, tratam-se de vales tenebrosos, de onde a morte parece não estar longe. Deus está lá, afirma o salmista, mas no escuro. Como se os olhos já não conseguissem ver nada, e apenas fôssemos capazes de ouvir. O cajado bate no chão, única prova para as ovelhas de que o pastor está sempre presente. Depois, há uma transição abrupta: Deus prepara uma mesa em que o crente se encontra à vista dos inimigos. O acolhimento é entusiástico. Deus consegue que não se trate de um confronto mas de uma autêntica festa.

Nos últimos versículos, o salmista encontra-se numa estrada: é a vida que parece retomar o seu curso «normal». Mas, em vez ser conduzido para a frente, o salmista é como que «empurrado» por trás. Os dons de Deus, a bondade e o amor, seguem-no até ao seu destino, a própria casa de Deus, onde o salmista poderá viver numa intimidade eterna com ele.

- A que acontecimentos ou situações da minha vida me fazem pensar as imagens presentes neste salmo?

- Como podemos avançar no meio das dificuldades? Como nos deixamos revigorar por Deus?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tema de reunião: "Valor da Oração..."

Liberdade Humana

Oração Espontânea