Sansão e Dalila


Os príncipes dos filisteus foram ter com ela e disseram-lhe: "Tenta seduzi-lo e descobre porque razão é tão grande a sua força, e de que modo poderemos ser mais fortes e prendê-lo para o dominar. Se conseguires, nós te daremos, cada um, mil e cem siclos de prata.
Dalila disse a Sansão: "Por favor, revela-me por que razão é tão grande a tua força e como poderás ser atado e dominado." Sansão disse-lhe: "Se me ligassem com sete cordas de arco frescas e ainda húmidas tornar-me-ia fraco, semelhante a qualquer homem."
Os príncipes dos filisteus levaram-lhe sete cordas de arco frescas e ainda húmidas; ela atou-o com elas. Ora a emboscada estava ali em casa, no quarto e ela disse-lhe: "Sansão, vêm contra ti os filisteus!" Ele rebentou as cordas como quem rebenta um cordão de estopa mal se lhe chega o fogo; e não se soube o segredo da sua força.
Disse, pois, Dalila a Sansão: "Ora aí está! Escarneceste de mim e mentiste-me! Revela-me agora como poderás ser atado."Ele disse-lhe: Se me atassem fortemente com cordas novas, com as quais ainda não tivesse sido feito trabalho algum, eu ficaria sem força e semelhante a qualquer homem."
Tomou, então, Dalila cordas novas e atou-o com elas, dizendo-lhe, depois: "Sansão, vêm contra ti os filisteus!" A emboscada estava a postos no quarto, mas ele rebentou as cordas que estavam à volta dos braços como se fossem fios de uma tela.
Então, disse Dalila a Sansão: "Até agora, só tens zombado de mim, e só me tens dito mentiras; revela-me agora como poderás ser atado." Sansão disse-lhe: "Basta teceres sete tranças da minha cabeleira com a urdidura do teu tear." Ela adormeceu-o, fixou as sete tranças com o torno do tear e gritou: "Sansão, vêm contra ti os filisteus!" Ele despertou do sono e arrancou o torno do tear com os liços. Dalila disse-lhe: "Como podes dizer "Amo-te", se o teu coração não está comigo? São já três vezes que brincas comigo, sem me revelares por que é tão grande a tua força!"
Ora, como todos os dias ela o cansava e importunava com estas palavras, Sansão caiu num abatimento mortal. Acabo por lhe abrir todo o seu coração e disse-lhe: "Sobre a minha cabeça jamais passou a navalha, pois sou consagrado a Deus desde o seio de minha mãe. Se eu fosse rapado, a minha força se afastaria de mim; ficarei sem forças tal como qualquer homem!"
Dalila viu que ele lhe abrira todo o coração; mandou chamar os príncipes dos filisteus e disse-lhes: "Vinde, que, desta vez, ele abriu-me todo o seu coração." Os príncipes dos filisteus foram ter com ela, levando consigo o dinheiro.
Ela adormeceu Sansão sobre os seus joelhos, chamou um homem que lhe rapou as sete tranças da sua cabeleira; foi então que ele começou a ficar debilitado, e a sua força o abandonou.

(Juízes 16, 5-19)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tema de reunião: "Valor da Oração..."

Liberdade Humana

Oração Espontânea