Um pouco sobre a história do movimento Schoenstatt


Como é que nasce Schoenstatt?

Schoenstatt nasce no início do século XX, através da acção pedagógica que o Pe. José Kentenich desenvolveu no Seminário Menor dos padres Pallotinos, situado num pequeno lugar chamado Schoenstatt ( “lugar bonito” ), em Vallendar – Koblença, nas margens do Reno.

A história de Schoenstatt está marcada por acontecimentos simples, mas com um profundo significado, pois a partir deles foi-se gestando uma corrente transbordante de gracas, de vida e de ideias.

Desde pequeno, o Pe. José Kentenich, devido à sua dificil situação familiar, viveu na sua própria história o desenraizamento que é tão característico do nosso tempo. Durante o periodo dos seus estudos, passou por duras provas espirituais. Contudo, na acção de Maria Educadora, a quem se tinha consagrado, experimentou o equilibrio e o caminho para um enraizamento, tanto na realidade do mundo natural, como no que é próprio do mundo sobrenatural.

Pouco a pouco, no seu coração, foi-se perfilando o anseio por um “homem novo” e uma nova comunidade, capaz de enfrentar os desafíos do tempo actual. Em 1912, o Pe. Kentenich foi nomeado director espiritual no Seminário Menor. Empreende então, de forma original e audaz, um projeto de educação que num ambiente de liberdade e de confiança, motivava a colaboração de cada pessoa no seu proprio caminho de transformação e crescimento pessoal.

A sua propria experiência,na relação com María - Mãe e Educadora - leva-o a fundar, com a participaçao activa dos jóvens, uma congregação mariana. Esta sería um “meio excelente para a realização dos nossos ideais juvenis e para alcançar da maneira mais perfeita, rápida e segura, a meta na nossa auto-educação: Por Maria, encontrar Jesus” (homilia na fundação da congregação mariana, nº 2. 27.10.1912).

Dois anos depois de ter inciado a sua acção pedagógica com os jovens, dá-se o começo da primeira guerra mundial. O que fazer para que num ambiente duro, agnóstico e imoral não fossem destruidos os ideais e a fe daqueles jóvens? Procurando respostas, chega-lhe às mãos a história de um advogado italiano, Bartolo Longo, que tinha “criado” um santuário mariano em Pompeia. Vendo nisto um “sinal da Providência”, interroga-se se não estaría nos planos de Deus que a pequena capela, recentemente posta à disposição da Congregação, se transformasse num santuário, onde Maria chegasse a ser Mãe e educadora dos jovens? Não será que deviam pedir à Nossa Senhora que estabelece naquele lugar um trono de graças?

Depois de um tempo de oração e de meditação, no dia 18 de Outubro de 1914, o Pe. Kentenich propôs aos jovens uma “ideia secreta e predilecta”. Convidou-os a pedir que Nossa Senhora se estabelece-se espiritualmente naquele lugar. Neste “pacto” e “aliança”, eles deviam “atrai-la” através de provas de amor, de esforços pela auto-educação e de um forte espirito apostólico. A presença de Maria deveria ser avalada por uma santidade da vida diária, por uma vida de seguimento heroico ao Senhor e à Sua vontade. Estes oferecimentos, na linguagem da Igreja “méritos”, são simbolicamente chamados pelos jóvens “contribuições ao capital de graças”. Expressão desta relação de aliança com Nossa Senhora, é a oração – compromisso: Mãe, Nada sem Ti, nada sem nós”.

A história posterior, pelos inúmeros frutos, foi provando que aquele momento tinha sido uma iniciativa de Deus; essa foi a confirmação à posteriori que aquele salto de fe, dado pelo Pe. Kentenich, foi a resposta esperada por Deus.

Até à morte do fundador (15 Setembro de 1968), vai-se desenvolvendo um progressivo crescimento do movimento em extenção e profundidade. As palavras dirigidas aos jóvens, naquele 18 de Outubro de 1914 – posteriormente chamadas Primeiro Documento de Fundação – passaram a ser o testemunho do acontecimento central e fundacional de Schoenstatt: a Aliança de Amor selada pelo Pe. Kentenich e pelos jóvens com Maria, no santuário, é a semente da qual brota toda a vitalidade e estrutura de Schoenstatt. A pequena capela transformou-se assim num santuário mariano e no coração de um movimento internacional para a Igreja e para o mundo actual.

In www.schoenstatt.pt

Sem comentários: